Stay for me
Me chamo Aline, tenho 18 aninhos. Amo escrever, ler, editar, comer, namorar ♥, viajar, trabalhar, dinheiro, vestidos longos, moda hippie, batom vermelho, cabelo cacheados (o meu u.u) e sigo de volta se você me der atenção. *-*
“Amor é isso, não é? Segurar as pontas, quando mal se aguenta. Equilibrar-se por dois sobre uma corda só. Não conseguir dormir porque o outro te preocupa mais do que qualquer coisa. Amor é isso, não é? Não abandonar, não desistir, ainda que o barco vire, que ponte caia, que o chão desabe. Buscar aquilo que é melhor, mesmo não trazendo sorrisos imediatos. Não ter o egoísmo e nem a malícia de permanecer só enquanto está tudo bem. É aguentar tomar chuva, mesmo resfriado há tempos, enquanto não consegue empurrar o outro para debaixo de um teto. É suportar mais do dizíamos capazes. É perdoar o imperdoável. Tentar carregar o dobro do nosso próprio peso. É repetir um milhão de vezes a mesma coisa, se necessário, por mais que a paciência esteja esgotada. Remar sozinho quando o outro não tem forças. Quando não oferece ajuda, quando está muito ocupado ou quando não tem tempo. Amor é isso, não é? muito além do desespero de uma paixão consumida em chama. Muito mais que ter alguém para acompanhar nas festas, para ligar à noite, quando não se tem o que fazer; Muito mais que alguém para suprir carência com abraços e beijos. É ter alguém sem possuir. É tornar-se, ao mesmo tempo, morada e local de fuga. É ser professor, psicólogo e companheiro de dança, tudo ao mesmo tempo. É enfrentar o escuro em um lugar desconhecido, com a certeza de que haverá uma mão para amparar qualquer queda. Deixar a zona de conforto porque o outro pede socorro. Mergulhar em um rio congelado e profundo, nadar quantas milhas puder, engolir água, choro e medo, aguentar o frio e a dor, porque alguém lá no fundo espera suas mãos trêmulas e conta com a sua coragem para carregá-lo até a margem. Mergulhar, sem olhar o peso no próprio bolso, nesse rio de águas misteriosas. Esse rio chamado amor.”
rio-doce  (via deus-e-poeta)

Toda mulher é uma puta. Inclusive a sua mãe. Toda mulher é uma puta. Inclusive a sua. Toda mulher é uma puta. Inclusive. Toda mulher é uma puta, até que se prove o contrário. Toda mulher é uma puta e cobra barato. Toda mulher é uma puta e tem seu valor. Toda mulher é uma puta e merece respeito. Toda mulher é uma puta, graças a Deus.

Toda mulher é uma puta. Quando dá na primeira noite. Quando não dá no primeiro encontro. Quando dá o cu. E quando não dá também. Toda mulher é uma puta se posa pelada. Se sai de sainha. Se sai sem calcinha. Toda mulher é uma puta quando finge o orgasmo. Quando cospe. E quando engole também. Toda mulher é uma puta chupando buceta.

Toda mulher é uma puta maldita quando fecha as pernas pra você. Toda mulher é uma puta desbocada quando fala palavrão. Atrevida quando te desafia. Sem-vergonha quando dá mole, quando dá de quatro, quando dá motivo. Quando apanha. Calada. E quando apanha. Gritando. E quando denuncia. Quando enfrenta. Quando reage. Puta mãe solteira. Quando faz um aborto, quando tira o útero. Quando joga a criança no lixo. Puta.

Toda mulher é uma puta se senta de perna aberta, se peida, se arrota, se coça o saco. Quando ganha mais que você. Quando é mais inteligente, mais sexy, mais bem sucedida, mais vivida e mais gostosa que você. Toda mulher é uma puta quando manda em você. Toda mulher é uma puta quando come mais mulher que você.

Toda mulher é uma puta mesmo sendo um cara. Mesmo se tiver barba e bigode, um pau enorme e pentelhos grossos. Seu vizinho e seu irmão. Toda mulher é uma puta se for o seu zelador. Todos somos umas putas quando estamos. Amargos, cansados, famintos, angustiados, magoados, desenganados. E quando temos dor de barriga. E quando pisamos no calo de alguém. Quando tudo dá errado. E na vitória, somos putas. E ganhando na megasena. Putas!

Então somos todos umas putinhas arrombadas no inferno e nos restaurantes fast-food. No alto do Himalaia e rodando bolsinha na alça de acesso da Marginal. Afinal puta que é puta não conhece fronteira, moral nem contra-mão. Puta que é puta não pede perdão. Nem permissão. Puta que é puta paga sua própria fiança. E sabe os filhos que tem.

por Patricia Chmielewski

“Há quem diga que todas as noites são de sonhos. Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância. O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, estando a dormir ou acordado.”
Shakespeare.   (via desnorteios)

desnorteios:

Sobre domingos ou você:

domingo tem seu cheiro,

domingo tem cheiro de saudade.

“Desejo à você que nunca perca a sensibilidade. Que nunca lhe falte a vontade de andar com os próprios pés, de seguir com seus objetivos e seguir a risca a linha dos seus sonhos. Não seja menos do que planejou. Mantenha-se focado em prosseguir, nessa vida em que nunca sabemos o que virá amanhã, tenha fé. Se for preciso repita baixinho “nada vai me parar”. E não pare, de fato, junte toda a coragem que você deixou escapar pelo caminho. Firme seus passos, tenha fôlego, tenha vida.”
Leonardo Martins.  (via deus-e-poeta)